Jorge Sousa Braga

BOLETIM METEREOLÓGICO

VER TAMBÉM >>>

AS ÁRVORES E OS LIVROS

O HORIZONTE DESAPARECEU                                                                                                                                                                 

O horizonte é coisa que não se perde, ou será?

Aprender a usar a imaginação com Jorge Sousa Braga

 

Começaremos por ler o poema em jeito de notícia.

Como sempre, não se trata de interpretar o poema mas de dialogar com ele. E dependendo da idade dos leitores, assim orientaremos a conversa:

- A linha do horizonte desapareceu ao longo de toda a costa atlântica. Quer dizer que não desapareceu de todos os lugares? Podemos procurar ao longo de outras linhas a ver se não estará unida a elas! Pode ser que encontremos por lá alguma pista!
- Mas também podemos tentar outra abordagem, começando por propor a reescrita do poema na primeira pessoa [do singular]. Quem sabe, talvez apareça algo parecido com isto: Perdi o meu horizonte. Andava junto à costa e perdi-o. As autoridades marítimas investigam o seu misterioso desaparecimento. Talvez consigamos abordar os diferentes sentidos que o horizonte nos trás. Trata-se, no entanto, de uma abordagem que deixaremos para idades mais amadurecidas, mais adultas.

A SENSITIVA

NUVENS

VER TAMBÉM >>>

MONTANHAS

CABRIL